Fantasporto 2017 – Os Vencedores.

Fantasporto 2017 – Os Vencedores.

Termina este domingo mais uma edição do Fantasporto, a 37ª, com a exibição de alguns filmes premiados. A entrega de prémios decorreu este. [...]

“The Escape” volta a juntar a BMW a Clive Owen.

“The Escape” volta a juntar a BMW a Clive Owen.

Foi em 2001 que a BMW revelou Clive Owen ao mundo, numa série de curtas-metragens onde um exímio motorista de aluguer era contratado para mis. [...]

Sugestões para o Halloween 2016.

Sugestões para o Halloween 2016.

Mais uma vez, venho-vos sugerir alguns filmes para esta altura do ano em que procuramos emoções fortes: o Halloween. São todos filmes deste a. [...]

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

Antes de mais, quem conhece este cantinho sabe que eu sou um fã do Filipe Melo e do Juan Cavia. Já antes escrevi com entusiasmo sobre alguns . [...]

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

Antes de mais, devo dizer que sou fã do “José e Pilar“, do Miguel Gonçalves Mendes, e era com expectativa que aguardava o seu pr. [...]

Ainda “A Serbian Film”. O Caso Espanhol – Ángel Sala Absolvido.

em: 2012/02/22 | por: | em: Cinema, Escrita, Fantasporto | Sem comentários em Ainda “A Serbian Film”. O Caso Espanhol – Ángel Sala Absolvido. | lido: 1.683 vezes

Um dos grandes filmes, e certamente o maior gerador de polémica dos últimos anos, continua a dar que falar, desta vez por boas razões. Falei dele aqui aquando da sua exibição no Fantasporto 2011, onde ganhou o prémio especial do Júri. Voltei a falar dele aqui, quando estourou ‘o caso espanhol’, aquele que agora teve o seu desfecho. Em traços largos, a exibição do filme no Festival de Sitges valeu ao seu director, Ángel Sala, uma acusação, por delito reconhecido no artigo 189.7 do Código Penal, que castiga com penas de três meses a um ano de prisão ou multa a quem “produzir, vender, distribuir, exibir ou facilitar por qualquer meio, material pornográfico em que terão sido utilizados directamente menores ou incapacitados”. Tudo porque uma associação de defesa de menores apresentou uma queixa contra o festival, por ter exibido o filme.

Ora, como comentei na altura, todo o caso era completamente descabido, e um atentado à liberdade de expressão. Agora, segundo a revista Fotogramas (num artigo que poderão ler aqui), o caso foi finalmente arquivado. No auto, a juíza do tribunal  de Vilanova i la Geltrú, Marga Fe Subirats, considera que o filme “não é um filme pornográfico, tanto que as imagens, em vez de terem uma finalidade de provocação sexual, tendem ao contrário”, dizendo ainda que “se trata mais de um filme de género gore”. Ora, é refrescante ver uma juíza com tão bons conhecimentos de cinema, afirmando mesmo o que eu já tinha dito no meu artigo sobre o caso. Só não concordo com a senhora quando ela firma que o filme foi alvo de vários prémios “de duvidoso merecimento“. Em muitos casos, e penso que o Fantasporto é um deles, a premiação do filme foi uma questão de afirmação (sobretudo politica) por parte dos festivais. Mais do que defender o filme, defendia-se a liberdade de expressão. Foi isso que fiz aqui no laxanteCULTURAL  e foi o que fez agora a juíza Subirats em Espanha. Parabéns ao Ángel Sala, pelo fim do pesadelo.

Deixe um comentário