Fantasporto 2017 – Os Vencedores.

Fantasporto 2017 – Os Vencedores.

Termina este domingo mais uma edição do Fantasporto, a 37ª, com a exibição de alguns filmes premiados. A entrega de prémios decorreu este. [...]

“The Escape” volta a juntar a BMW a Clive Owen.

“The Escape” volta a juntar a BMW a Clive Owen.

Foi em 2001 que a BMW revelou Clive Owen ao mundo, numa série de curtas-metragens onde um exímio motorista de aluguer era contratado para mis. [...]

Sugestões para o Halloween 2016.

Sugestões para o Halloween 2016.

Mais uma vez, venho-vos sugerir alguns filmes para esta altura do ano em que procuramos emoções fortes: o Halloween. São todos filmes deste a. [...]

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

Antes de mais, quem conhece este cantinho sabe que eu sou um fã do Filipe Melo e do Juan Cavia. Já antes escrevi com entusiasmo sobre alguns . [...]

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

Antes de mais, devo dizer que sou fã do “José e Pilar“, do Miguel Gonçalves Mendes, e era com expectativa que aguardava o seu pr. [...]

Fantasporto 2011: “A Serbian Film” …da-se!

em: 2011/02/24 | por: | em: Cinema, Crítica, Fantasporto | 3 comentários em Fantasporto 2011: “A Serbian Film” …da-se! | lido: 11.104 vezes

Ao segundo dia do pré-Fantas, chegou o polémico “A Serbian Film“, de Srdjan Spasojevic, censurado em países e festivais por onde tem passado. Eu não sou, à partida, um tipo facilmente impressionável, mas confesso que este filme mexeu um bocadinho comigo. Só ainda não sei se foi no bom ou mau sentido. Depois do visionamento, só uma certeza fica: não fomos suficientemente avisados para a forma como este filme mexe connosco.

Milos é um ex-actor porno, casado e com um filho, que recebe uma proposta irrecusável de voltar à acção. Só tem uma condição: não poderá saber de antemão nada daquilo que se vai passar na rodagem. E ninguém está preparado para o que Vukmir, o realizador, tem planeado. Pedofilia, sado-masoquismo, violação, snuff, necrofilia, incesto e até newborn sex, ou seja, violência, violência e mais violência. O horror, o horror…

O que é mais estranho no meio disto tudo é que “Srpski Film” não é um mau filme, antes pelo contrário. Enquanto o podemos apreciar, na primeira meia hora, o filme é muito bem realizado e fotografado. O clima de incerteza é muito bem conseguido e a tensão que vai emergindo aos poucos é muito bem doseada. Mas depois… depois também. E é esse o maior problema. Tudo está feito de forma super realista, o que intensifica a brutalidade. As imagens são quase sempre belissimamente captadas, mesmo que aquilo que lá esteja seja horrendo. E é.

E Spasojevic tem a lição bem estudada, e procura aquilo que “Holocausto Canibal” atingiu em 1980: Ser o filme mais polémico alguma vez feito. Os tempos são outros, mais informação e tecnologia disponíveis, e os medos já não estão à flor da pele. É preciso ir mais fundo e destruir tudo aquilo em que se baseia a sociedade. Em última análise, “A Serbian Film” é para o cinema aquilo que o 11 de Setembro foi para os Estados Unidos.

Daí a censura, que aquilo que os olhos não vêem, o coração não sente. Não sou apologista da censura, em nenhuma forma ou contexto, defendo antes que “A Serbian Film” é um filme que não deve ser visto sem preparação, algo que a exibição comercial em Portugal não tem capacidade de promover. O Fantas é pois o sítio apropriado para se ter contacto com este objecto inclassificável. E que não me atrevo a recomendar a ninguém. Vão por vossa conta e risco. E podem ter a certeza de que vão exclamar algumas vezes a última palavra do título deste artigo.

Classificação: Não atribuída.

Nota: O filme volta a ser exibido Domingo, dia 27 às 23h15, em competição e com a presença do realizador. Não sei se o vou rever, mas estarei lá para ver o que o homem diz disto.

{ 3 Comentários… read them below or adicione um }

Nuno Reis Fevereiro 24, 2011 às 09:08

Valeu a pena esperar por este texto. É mesmo um filme diferente de tudo.

Responder

ObZen Março 21, 2011 às 23:44

Eu arrependi-me de ter visto o filme. Nem “gore” real me incomoda mas este filme destruiu parte da minha alma. Fiquei deprimido durante um dia inteiro depois de o ver.

Responder

Pedro Afonso Março 22, 2011 às 00:00

Pois… Eu não posso recomendar a ninguém que o veja, pois o filme incomoda qualquer um. É realmente muito forte. Eu não fiquei deprimido, mas ficou-me na cabeça durante muito tempo.

Responder

Deixe um comentário