Fantasporto 2018 – Vencedores e horários das sessões dos filmes premiados.

Fantasporto 2018 – Vencedores e horários das sessões dos filmes premiados.

Chega amanhã ao fim a 38ª edição do Fantasporto – Festival Internacional de Cinema do Porto, e já existe palmarés. Antes de o divul. [...]

Fantasporto 2018 – Dias 1, 2 e 3.

Fantasporto 2018 – Dias 1, 2 e 3.

Concluímos a divulgação da programação do Fantasporto – Festival Internacional de Cinema do Porto, no Grande Auditório do Rivoli – Te. [...]

A Floresta Das Almas Perdidas – Terror Luso, Melancólico e Poético.

A Floresta Das Almas Perdidas – Terror Luso, Melancólico e Poético.

Há alguns anos que conheço e acompanho o trabalho do José Pedro Lopes e do Anexo 82. Com uma interessante colecção de curtas-metragens no . [...]

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

Antes de mais, quem conhece este cantinho sabe que eu sou um fã do Filipe Melo e do Juan Cavia. Já antes escrevi com entusiasmo sobre alguns . [...]

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

Antes de mais, devo dizer que sou fã do “José e Pilar“, do Miguel Gonçalves Mendes, e era com expectativa que aguardava o seu pr. [...]

“Memory” – Curta premiada no Porto7 2012.

em: 2013/06/12 | por: | em: Cinema, Crítica, Porto 7 | Sem comentários em “Memory” – Curta premiada no Porto7 2012. | lido: 2.136 vezes

No dia em que começa o Porto7 2013, venho mostrar-vos a curta-metragem de que mais gostei na edição do ano passado, e que acabou por ganhar uma menção honrosa no festival. “Memory” é realizada pelo espanhol Víctor Suñer e é uma pequena estória sobre a paixão, o sonho e as pequenas coisas da vida, como a partilha de um olhar, e o modo como elas nos podem influenciar.

Suñer mostra-nos o dia-a-dia de um homem que, após várias tentativas amorosas falhadas, cruza um olhar com aquela que crê ser a mulher da sua vida. Tendo-a deixado fugir entre os dedos, passa os dias no local onde se cruzaram, na esperança de que ela lá regresse.

A estória é assim tão simples e também tão universal, o que torna este pequeno conto em algo tão fascinante, com uma sucessão de situações com que facilmente nos identificamos e que nos aproxima do personagem em cuja mente estamos. A coisa funciona tão bem, que nem a voz off, que aqui é aquilo que nos guia pela mente deste homem atormentado, parece forçada ou um subterfúgio narrativo para colmatar outro tipo de falhas.

Mas não é só naquilo que diz que este pequeno filme é perfeito, mas também na forma como o nos mostra. A realização é extremamente eficaz e a acção é-nos narrada de forma continua mas poética. A fotografia é excelente, com movimentos de câmara perfeitos e passagens simples mas bem imaginadas. A banda sonora é envolvente e acompanha na perfeição todas as fases do enredo. Por último, os excelentes efeitos especiais que, à excepção da primeira e última imagens do filme, nem nos apercebemos que estão lá, mas são fundamentais para a verosimilhança do ambiente criado.

Resumindo, Víctor Suñer é um nome a seguir no cinema actual, que aqui nos emociona, com mestria, com as pequenas coisas que são importantes na vida.

Classificação: 5/5.

Hoje, pelas 21h30 no pequeno auditório do Rivoli, começa mais um Porto7. Esperemos que nos traga mais pequenas obras de arte como esta. Apareçam…

Deixe um comentário