Fantasporto 2017 – Os Vencedores.

Fantasporto 2017 – Os Vencedores.

Termina este domingo mais uma edição do Fantasporto, a 37ª, com a exibição de alguns filmes premiados. A entrega de prémios decorreu este. [...]

“The Escape” volta a juntar a BMW a Clive Owen.

“The Escape” volta a juntar a BMW a Clive Owen.

Foi em 2001 que a BMW revelou Clive Owen ao mundo, numa série de curtas-metragens onde um exímio motorista de aluguer era contratado para mis. [...]

Sugestões para o Halloween 2016.

Sugestões para o Halloween 2016.

Mais uma vez, venho-vos sugerir alguns filmes para esta altura do ano em que procuramos emoções fortes: o Halloween. São todos filmes deste a. [...]

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

Antes de mais, quem conhece este cantinho sabe que eu sou um fã do Filipe Melo e do Juan Cavia. Já antes escrevi com entusiasmo sobre alguns . [...]

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

Antes de mais, devo dizer que sou fã do “José e Pilar“, do Miguel Gonçalves Mendes, e era com expectativa que aguardava o seu pr. [...]

“Os Miúdos Estão Bem” e Recomendam-se Assim Assim.

em: 2011/02/08 | por: | em: Cinema, Crítica | Sem comentários em “Os Miúdos Estão Bem” e Recomendam-se Assim Assim. | lido: 2.381 vezes

Mas… Está tudo doido? “The Kids Are All Right” foi o vencedor do Golden Globe para Melhor Comédia ou Musical, e não é uma coisa nem outra. Trata-se antes de um drama familiar na melhor tradição do género, e merecia melhor sorte por parte da Associação da Imprensa Estrangeira em Hollywood. Reduzi-lo a uma piada por se centrar num casal lésbico em que ambas foram inseminadas artificialmente com o esperma do mesmo homem, demonstra um total alheamento da sociedade actual, além de prestar um péssimo serviço ao filme, e à sua relação com o espectador.

A estória é simples: num momento menos bom da vida do casal, as coisas vão complicar-se ainda mais quando os dois filhos adolescentes movem esforços para se encontrarem com o pai biológico, encontro esse que vai desequilibrar por completo o núcleo familiar e pô-lo à prova.

Os Miúdos Estão Bem” cumpre na perfeição o seu objectivo que, repito, não é o de nos divertir, mas antes familiarizar com a realidade actual, seja pela aceitação de casais do mesmo sexo, dos mesmos poderem ser pais, ou ainda de, no momento da concepção, pai e mãe não interagirem ou mesmo não se conhecerem. No entanto, o maior trunfo do filme é não querer ser pedagógico, interventivo, e muito menos panfletário (como o era, por exemplo, “Milk“), mas antes limitar-se a querer contar uma boa estória, entretendo e emocionando o espectador.

Com um currículo onde predomina a realização de episódios de excelentes séries televisivas como ”Sete Palmos De Terra”, “A Letra L” ou “Hung”, Lisa Cholodenko consegue aqui um trabalho sólido, principalmente no que diz respeito à direcção de actores. Num filme centrado num núcleo familiar, a caracterização das personagens é fulcral para o envolvimento do espectador, e o trabalho dos actores assume uma importância extrema e fundamental para o filme.

Nesse aspecto, o filme é exemplar. Com actores de idades tão díspares, a solidez do elenco é irrepreensível. No casal lésbico, Annette Bening e Julianne Moore parecem viver juntas desde sempre. O seu envolvimento e química são mais credíveis do que muitos dos casais heterossexuais cinematográficos, sendo que Bening assume a contenção, o que curiosamente lhe dá mais força e visibilidade (colocando-a mesmo na pole position das cerimónias de prémios). Mia Wasikowska é uma das mais seguras jovens actrizes da actualidade e Mark Ruffalo é o porreiraço de serviço que se transforma em ameaça, dualidade que o actor torna natural e inocente.

Mas,  no fundo, o que fica do filme é apenas isto: uma estória simples e honesta que transforma lugares comuns, mas que não chega a ter força para bater o pé ao sistema social e moralista, ficando-se como nota de rodapé no palmares do ano cinematográfico. Não fossem estes actores, e nem isso seria…

Classificação: 3/5

Deixe um comentário