Sugestões para o Halloween 2017 no Netflix.

Sugestões para o Halloween 2017 no Netflix.

Chegou a altura do ano em que vos faço algumas recomendações para o Halloween. Desta vez, e porque o Netflix se tem tornado uma plataforma ca. [...]

Fantasporto 2017 – Os Vencedores.

Fantasporto 2017 – Os Vencedores.

Termina este domingo mais uma edição do Fantasporto, a 37ª, com a exibição de alguns filmes premiados. A entrega de prémios decorreu este. [...]

“The Escape” volta a juntar a BMW a Clive Owen.

“The Escape” volta a juntar a BMW a Clive Owen.

Foi em 2001 que a BMW revelou Clive Owen ao mundo, numa série de curtas-metragens onde um exímio motorista de aluguer era contratado para mis. [...]

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

Antes de mais, quem conhece este cantinho sabe que eu sou um fã do Filipe Melo e do Juan Cavia. Já antes escrevi com entusiasmo sobre alguns . [...]

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

Antes de mais, devo dizer que sou fã do “José e Pilar“, do Miguel Gonçalves Mendes, e era com expectativa que aguardava o seu pr. [...]

Oscars 2011 – Nomeado Para Curta de Animação 4/5 – “The Lost Thing”.

em: 2011/02/26 | por: | em: Cinema, Crítica | 1 comentário em Oscars 2011 – Nomeado Para Curta de Animação 4/5 – “The Lost Thing”. | lido: 2.326 vezes

Depois de  “Day & Night“, “The Gruffalo” e “Let’s Pollute”, este é o quarto dos cinco nomeados para o Óscar de Melhor Curta-Metragem de Animação. “The Lost Thing“, é uma co-produção Australiana e Inglesa, com uma animação prodigiosa e uma estória que mais não é do que uma metáfora à sociedade actual, desprovida de sentimentos, emoções e atenção ao que de importante se passa à nossa volta.

Um rapaz encontra uma estranha criatura numa praia e decide encontrar-lhe um lar, num mundo em que toda a gente acredita que há coisas mais importantes em que concentrar a sua atenção.

Realizado por Andrew Ruhemann e Shaun Tan (também criador da estória e do argumento) e com locução de Tim Minchin, “The Lost Thing” surpreende logo de inicio pela originalidade da sua animação computorizada, numa atmosfera retro e onírica. Com uma estória muito simples, mas não simplista, é um filme que agradará a todos os públicos, mas que só os adultos poderão desfrutar na sua totalidade. As alusões à frieza da sociedade não são subtis, sendo mesmo o cerne do filme, mas são mantidos como sub-texto até ao final. E é esta sobriedade que cativa, mas ao mesmo tempo retira alguma força à narrativa, que nunca arrebata o espectador, apesar dos esforços do compositor Michael Yezerski nesse sentido.

Resumindo, percebe-se a nomeação de “The Lost Thing” ao Óscar, mas falta emoção a este simpático filme para levar a estatueta para casa. Ficam as boas intenções numa curta-metragem que apesar disso, se recomenda.

Classificação: 3.5/5

 

Deixe um comentário