Fantasporto 2017 – Os Vencedores.

Fantasporto 2017 – Os Vencedores.

Termina este domingo mais uma edição do Fantasporto, a 37ª, com a exibição de alguns filmes premiados. A entrega de prémios decorreu este. [...]

“The Escape” volta a juntar a BMW a Clive Owen.

“The Escape” volta a juntar a BMW a Clive Owen.

Foi em 2001 que a BMW revelou Clive Owen ao mundo, numa série de curtas-metragens onde um exímio motorista de aluguer era contratado para mis. [...]

Sugestões para o Halloween 2016.

Sugestões para o Halloween 2016.

Mais uma vez, venho-vos sugerir alguns filmes para esta altura do ano em que procuramos emoções fortes: o Halloween. São todos filmes deste a. [...]

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia – Crítica.

Antes de mais, quem conhece este cantinho sabe que eu sou um fã do Filipe Melo e do Juan Cavia. Já antes escrevi com entusiasmo sobre alguns . [...]

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

“Nada Tenho De Meu” – A Utopia da Liberdade.

Antes de mais, devo dizer que sou fã do “José e Pilar“, do Miguel Gonçalves Mendes, e era com expectativa que aguardava o seu pr. [...]

“Splice”, de Vincenzo Natali – Poster, Fotos, Featurette, Trailers e TV Spots.

em: 2010/05/07 | por: | em: Cinema | 4 comentários em “Splice”, de Vincenzo Natali – Poster, Fotos, Featurette, Trailers e TV Spots. | lido: 3.719 vezes

Ando com saudades de um bom filme do género ficção-cientifica / terror. E não é de agora. Há muito tempo que não aparece um “Alien” ou algo do género que me encha as medidas. Mas parece que é desta. Este “Splice” tem tudo para me tirar a barriga de misérias. Tem Guillermo del Toro (“Hellboy I e II“, “Blade II” e “O Labirinto Do Fauno“) como produtor executivo, e Vincenzo Natali (“Cubo“) como argumentista e realizador.

A estória conta-se em três penadas. ‘Elsa e Clive, dois cientistas rebeldes, desafiam os limites éticos e legais e avançam com uma perigosa experiência: unem DNA humano e animal para criar um novo organismo. Chamado “Dren”, a criatura desenvolve-se rapidamente, passando de criança deformada a belíssima mas perigosa humana-monstro fabulosa e alada, que finge uma ligação com os seus criadores – apenas para a tornar mortífera.

É mesmo disto que eu preciso: um sombrio e minimalista espectáculo de efeitos especiais, suspense e muitos arrepios na espinha, feito por especialista na matéria que já nos habituaram a um rigor e perfeccionismo exemplares. Completa o ramalhete um par de actores de excepção: Adrien Brody (oscarizado por “O Pianista” e a caminho de “Predators“) e Sarah Polley (protagonista do excelente remake de “Dawn Of The Dead“). Destaque ainda para  Delphine Chanéac, como a belíssima mas mortífera Dren. As Imagens e vídeos que já nos chegaram deixaram-me ansioso. Comecemos pelas fotos…

Há aqui imagens belíssimas e intrigantes. Os vídeos já disponíveis aumentam o interesse e dão mais algumas pistas. O filme parece ser maioritariamente passado num laboratório, o que o torna claustrofóbico e, por isso, mais intenso. Além disso, outro filme que me parece ser aqui uma influência é “A Mosca” do Cronenberg, um dos meus filmes de culto. O tom de algumas imagens está semelhante, para não falar no facto de ambos começarem com uma experiência cientifica. Não será portanto um mero filme de entretenimento, mas um que colocará algumas questões importantes  e pertinentes para a sociedade actual.

Quanto aos vídeos que se seguem, temos uma featurette, que contém uma cena do filme, dois trailers e três spots televisivos. Enjoy…

E então, ficaram curiosos? “Splice” estreia internacionalmente a 4 de Junho, mas ainda não tem data de estreia em Portugal. Tratem lá disso, se fazem o favor.

{ 2 Comentários… read them below or adicione um }

Filipe Oliveira Maio 13, 2010 às 00:09

Cara, acheio meio ‘A Experiência’ mas parece ser legal, até mesmo porque trata da clonagem humana. Mas boas produções de terror/suspense são sempre bem-vindos.’

Responder

Justino Setembro 20, 2010 às 22:58

Ela não finge uma ligação afectiva com os seus criadores, ela tinha um verdadeira ligação afectiva, instintiva, como os gansos de Lorenz, mas verdadeira, entretanto o choques, os nãos e o tratamento repressivo que recebeu dos “pais” fê-la optar pela sobrevivência da espécie (darwin) numa relação amor-ódio (freud). Vincenzo é um ás.

Responder

Deixe um comentário